quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Pro Dia Nascer Feliz

          Pro dia nascer feliz – um filme de João Jardim -  é um documentário que indicamos não só para educadores e educandos, mas também qualquer cidadão, para que compreenda as diversas formas, situações e concepções de dois mundos em um só, rede pública e rede particular. Este faz um relato de experiências diárias em escolas públicas e particulares de Pernambuco, São Paulo e do Rio de Janeiro, entrevistas com alunos e imagens de diversos ambientes das escolas, desde corredores, conversas informais a conselhos de classe que decidem o destino dos alunos.


Fonte: oglobo.globo.com/opiniao/mat/2006/09/25/285817793.asp
A escola particular e a pública são dois mundos tão diferentes e, ao mesmo tempo, tão iguais. Os alunos que habitam estes dois ambientes muitas vezes estão correndo atrás de um mesmo objetivo, alcançar uma faculdade, se formar e constituir uma família. Ambas as escolas tem seus problemas também, uma por falta de dinheiro, o que pode dificultar o acesso das crianças à cultura, e a outra pelo excesso de dinheiro, onde as vezes existe a preocupação com coisas fúteis, desrespeito, o que pode gerar a falta de autoridade.
Professores hoje em dia se diferem no seu tratamento e acabam nem sempre estimulando a criatividade de alunos da rede pública, alguns pela falta de material que não é oferecido pela prefeitura, outros porque se acomodam. Alguns profissionais da rede pública, por ter um emprego garantido, um salário razoável e direito a 10 faltas sem justificativa, acabam se acomodando e não se preocupando com o futuro de quem eles estão formando, os cidadãos e futuros mecânicos, médicos, professores e advogados. Claro que existem suas exceções e é nelas que devemos acreditar e nos apoiar.
Na rede particular, professores são muito cobrados, pois se não condizerem com o que a escola oferece, são demitidos. Ou eles formam os cidadãos que atendam as necessidades da sociedade da classe atendida, ou são simplesmente colocados para fora da instituição. Nesta situação, muitas vezes acabam trabalhando mal-humorados, parecendo estar obrigados a fazer algumas atividades, resultando desta forma ao “não aprendizado”.
Em ambas as escolas, muitas vezes o futuro das crianças é decidido em um conselho de classe a partir de notas vindas de uma avaliação aplicada pelo professor. Professores não retêm o aluno, porque ele daria muito trabalho se colocado novamente na mesma sala, sem pensar na dificuldade que estes alunos enfrentarão em uma série seguinte.
Sendo pública ou particular, o importante é o incentivo e o estímulo das qualidades individuais dos alunos, utilizando diversas didáticas para esta prática, como teatro, canto, cultura, revistas e grêmios que exijam participação diária dos alunos. É importante deixar que opinem e participem ativamente de todo e qualquer processo pedagógico da escola.


Fonte: http://diariodecultura.blogspot.com
Citação retirada da contracapa do DVD Pro dia nascer Feliz: “ Não me lembro de outro documentário com tamanha capacidade de nos fazer refletir sobre nosso futuro e ainda por cima emocionar como poucos filmes de ficção são capazes.”( Fernando Meirelles)

                            Autoria: Fernanda Cristina Costenaro Marchesoni

6 comentários:

  1. entendi...

    assistirei a esse filme, caso o ache!

    ResponderExcluir
  2. Caso queira... posso emprestar! Eu tenho

    ResponderExcluir
  3. Olá, Como vc analisa a presença das famílias nas duas instituições..... Como as famílias se relacionam com a escola.... Existe diferença entre a escola pública e a particular..... Qual o peso que a família tem na vida do aluno.....Qual a postura da familia diante da escola pública e da escola particular.....
    Acho que seria interessante uma pesquisa sobre este assunto....

    ResponderExcluir
  4. Bom, no documentário não é muito mostrada a participação da família... Porém, ao meu ver, as escolas públicas tem muito mais abertura para a comunidade, as associações de pais e mestres, participam ativamente, mas temos escolas particulares também, são poucas, mas temos!
    Quanto ao peso da família na vida do aluno eu ainda acredito que seja a base de tudo, da educação, dos princípios éticos e morais, claro que a escola também é formadora desta consciência, mas ainda creio que a base venha da família!
    Quanto a postura da família diante destes dois mundos, infelizmente, muitos hoje em dia ainda veêm as escolas públicas como um ensino de má qualidade e a particular por tem um preço alto, oferecer um ensino melhor... EU SOU CONTRA este preconceito... acredito que em ambas existem as instituições ruins e as boas... o que faz a diferença não é o preço que se paga, mas a consciência e os princípios dos funcionários que nela trabalham!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Quanto a cobrança, muitas famílias acham que quem educa é a escola, cobram que as escolas eduquem seus filhos, cobram notas e se seus filhos ficam retidos entram com recurso para que a criança passe... Não pensam o porque esta criança foi retida! Não pensam que o esforço, a vontade de aprender tem que partir das crianças também...

    ResponderExcluir

Obrigada... Carpe Diem!!