segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Arte ou Vandalismo?

Estava andando pela vergueiro e pude observar uma série de manifestações, se é assim que podemos chamar, através da pixação e da grafite.
Imagem do acervo pessoal de Fernanda Costenaro
“[...] no grafite por ter  ele partido de jovens universitários e/ ou ligados às áreas da arte, há um aumento de esteticidade em relação à pichação. No grafite há uma preocupação em elaborar signos, agrupá-los e ambientá-los ao suporte, há uma preocupação poética consciente. A pichação é mais aleatória, trabalha com mais improviso, mais acaso, quando a poética acontece e muitas vezes acontece é por puro acaso.” (Ramos, 1994, p.168)
Como Ramos já diz há uma grande diferença entre pichar e grafitar. A imagem acima é uma grafite que provavelmente o dono do estabelecimento deve ter autorizado a pintura desta imagem. Porém, vemos também uma série de pichações, estas são feitas com spray aerosol, e são expressamente proibidas, pois destroem um patrimônio, poluem nossa cidade.
Durante minha pesquisa, achei um vídeo, que é o trailer de um documentário chamado Pixo, de João Weiner, onde podemos ver claramente a posição dos pichadores perante a sociedade, relatos já dizem que eles querem se manifestar, porém na minha opinião, particular, não acredito que esta seja a melhor forma, pois realmente agride os olhos de quem vê.
Vídeo retirado de www.youtube.com

Imagem de acervo pessoal de Fernanda Costenaro

         Os pichadores geralmente se dividem em grupos, criam uma “marca”, um nome e saem pela cidade carimbando este nome em diversos lugares, seja em muros, prédios, janelas, na maioria das vezes os grupos tem suas preferências.


Já a grafite, há uma preocupação maior com a estética, com as cores e formas. Hoje em dia o grafite já até tomou seu lugar no Museu de Arte Contemporânea de São Paulo.



“O grafite dos dias atuais nasceu como arte de rua e de protesto no final dos anos 60, chegou às galerias de arte na década de 80 e tornou-se um patrimônio valioso no novo milênio. Mas muito antes disso, ele já era uma das expressões artísticas da humanidade. Ele fez parte da arte rupestre dos tempos das cavernas e das expressões populares no Império Romano. Já a versão de grafite atual é uma das heranças estética e ideológica da Pop Arte e começou a surgir no fim da década de 60 e começo da de 70 nas ruas da Filadélfia e de Nova Iorque.” (fonte: http://lazer.hsw.uol.com.br/grafite.htm)
Imagem do acervo pessoal de Fernanda Costenaro
Imagem do acervo pessoal de Fernanda Costenaro
              A pichação e a grafite tiveram seu início desde os primórdios da humanidade, onde os homens pintavam suas cavernas para uma comunicação, e continuou até que foi mudando o intuito desta pintura, e passou a ser feita para uma manifestação, para expor idéias ou atingir inimigos.
            Há quem as defenda, mas também quem as condene. E você? O que acha desta, arte? Ou vandalismo?





Autoria: Fernanda Cristina Costenaro Marchesoni


Um comentário:

  1. Ta lindoo o blog de voces meninaaas ! Bjuuuuss <3. Gabi

    ResponderExcluir

Obrigada... Carpe Diem!!